A noite de domingo (20/09) foi marcada por um grande tumulto no bairro Jardim Filadélfia. De acordo com o boletim de ocorrências, um policial penal foi assassinado em BH dentro de um bar após ter se irritado ao “cantar” uma das mulheres que também estava por lá. Testemunhas disseram que Willian Douglas Barbosa de Araújo, 38 anos, ameaçou os outros clientes do estabelecimento, o que acarretou a tragédia.

Aproximadamente 250 pessoas se encontravam no local quando o policial penal foi assassinado em BH.  Araújo “cantou” a moça que, ao que parece, se negou a permanecer perto dele. O policial ficou nervoso com o ocorrido, se dirigiu até seu carro, pegou a arma, apontando-a para os clientes mais próximos de onde ele estava.

Leia mais: Vagas de emprego: veja algumas oportunidades para Belo Horizonte e região nesta segunda (21/09)

Militares que faziam ronda pelas proximidades do estabelecimento viram alguns cidadãos gritando, bem como correndo pelas ruas do bairro. Além disso, viram também um homem em ações suspeitas e com uma arma em punho.

Policial penal foi assassinado em BH por PMs que faziam ronda no bairro

Eles afirmam que, de imediato, pararam e pediram, de acordo com os protocolos de segurança, para que Araújo não fizesse uma besteira e largasse sua arma. Entretanto, o homem não obedeceu. Com isso, os militares tiveram que atirar nele. Willian ainda tentou sair em fuga, mas acabou sendo capturado.

Conquanto, confira também: Ônibus queimados na Grande BH: detentos ordenam mais ataques

Policial chegou a ser atendido, mas não resistiu
Policial chegou a ser atendido, mas não resistiu\ – Foto: Google Street View

Willian Douglas chegou a ser socorrido pelo SAMU, bem como levado para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) Santa Terezinha. No entanto, veio a óbito, não resistindo aos ferimentos sofridos pelos tiros.

Os familiares de Willian disseram que ele vinha fazendo uso de entorpecentes, o que o deixava muito transtornado, realmente fora de si. O policial penal foi assassinado em BH, mas a PM afirma que este é um caso como legítima defesa, uma vez que a vida de cidadãos e dos próprios policiais estava sendo colocada em risco. Ele já tinha passagem pela polícia por lesões corporais e agressões.

Você também pode gostar: Proprietários da Cervejaria Backer são denunciados pelo Ministério Público de Minas Gerais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui