A secretária de Saúde Municipal de Nova Mutum, Anke Schwabe, declarou em entrevista coletiva, realizada nesta segunda (29.06), que a situação geral está caótica e pode piorar.

Além disso, Schawbe também lamentou as vidas perdidas durante esta pandemia. E clamou à população que faça sua parte, devido ao colapso na saúde, ocasionado pelos números assombrosos de incidência de Coronavírus.

“Não há mais vagas de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e precisamos imediatamente adotar medidas para que essa curva de crescimento seja achatada. Estamos fazendo tudo o que podemos para salvar vidas, infelizmente já perdemos nove pessoas e tememos que mais vidas possam ser ceifada com esse vírus. Essa é uma situação que não depende somente do poder público, as pessoas precisam aderir ou teremos uma situação caótica”, afirmou.

Da mesma maneira, o promotor de justiça do município, Henrique de Carvalho Pugliese, explicou que o Ministério Público recomendou novas medidas, mais duras no combate à Covid-19, na intensão de amenizar os impactos e consequências que já começaram a aparecer, no sistema de saúde pública de todo o estado.

“O Ministério Público notificou as prefeituras para que adotem medidas mais rígidas a fim de evitar o lockdown. Para que isso não aconteça, fizemos essa notificação recomendatória. Essas novas medidas são o mínimo que podemos fazer para tentar segurar essa crescente de casos. Vamos nos envolver nesta causa, precisamos de todos, caso contrário precisaremos ser mais duros visando sempre garantir a vida”, comenta.

Além disso, o município já havia se antecipado ao caos na saúde, por meio da implantação do novo hospital regional, Hilda Ribeiro Streneger, que vem para agregar mais 20 leitos de UTI e outros 38 leitos de “retaguarda”.

Reforçando que, as unidades ficarão à disposição da Central de Regulação da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT), para manejamento conforme demanda.

Sobre o novo Decreto

O Decreto nº 102, de 29 de junho de 2020, divulgado pela Prefeitura Municipal de Nova Mutum na tarde desta terça (30.06) traz algumas alterações que prevalecem sobre os decretos anteriores.

Conforme citado anteriormente, estas medidas visam “desafogar” o sistema de saúde estadual, que já não possui mais leitos de UTI disponíveis para atender a casos genéricos, que não são de Coronavírus.

O documento estipulou medidas que, de certo modo são consideradas rígidas. Tudo em prol de frear aglomerações indevidas, como forma de evitar a rápida transmissibilidade do vírus entre as pessoas.

Pelas novas regras, o funcionamento geral do comércio vai obrigatoriamente até as 20:30. Enquanto por outro lado, o horário que já vinha sendo adotado no toque de recolher, segue mantido entre 21h e 5h.

Além disso, fica estabelecido o fechamento de bares e lanchonetes. Sendo que podem funcionar somente em regime delivery, e sem comercializar bebidas alcoólicas a partir da próxima sexta (03.07). Está proibida a retirada desta categoria de bebidas no local, também. A exceção à regra fica por conta dos restaurantes, que continuam funcionando normalmente.

Por outro lado, academias de todas as modalidades ficam impedidas de trabalhar de maneira corriqueira, podendo atender apenas na modalidade personal trainer.

OS super mercados ficam encarregados de controle de acesso aos eu interior, permitindo entrada de apenas um membro por família e vedando totalmente a entrada de crianças de qualquer idade.

Já as demais recomendações seguem intactas. Respeitar o distanciamento social e o uso correto de máscaras. Proibida circulação em praças, parques e lagos, em qualquer hora do dia ou da noite. Alem de festas e aglomerações, privadas ou públicas, com qualquer quantia de pessoas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui