Já foram quatro ônibus queimados na Grande BH em apenas sete dias. De acordo com informações repassadas pela Polícia Militar, durante o último ataque, os meliantes deixaram com o motorista um bilhete relatando que aquilo era uma espécie de protesto em prol de melhores condições de tratamento para os detidos na Nelson Hungria, penitenciária localizada em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte.

O ocorrido se deu em Vespasiano desta vez, aproximadamente às 23:00 de ontem (14/09). Como citado, com este foram quatro ônibus queimados na Grande BH, com as chamas chamando a atenção dos moradores locais, mas, ainda mais, assustando a todos. O veículo pertencia à linha 5605, que faz a ligação entre o Morro Alto e Serra Dourada.

Leia mais: Proprietários da Cervejaria Backer são denunciados pelo Ministério Público de Minas Gerais

Para combater o incêndio foram utilizados aproximadamente 2 mil litros d’água. Mesmo com o cessar do fogo, entretanto, não restou muita coisa do ônibus. A rede de eletricidade foi rompida, mas sem riscos de eletrocuções, graças à ação rápida do Corpo de Bombeiros.

Quatro ônibus queimados na Grande BH com “modus operandi” parecidos

A Polícia Militar afirma que a maneira como os coletivos foram incendiados foi bastante parecida uma com a outra. Em determinado momento, quando o motorista se encontrava sozinho, dois criminosos entraram no ônibus armados, fizeram-no descer, ateando fogo no local em seguida.

A primeira ocorrência foi registrada no dia 09/09, quarta-feira, na linha 5502, que roda dentro do bairro Jardim Vitória. No dia 11/09, sexta-feira, neste mesmo bairro, mais um coletivo foi atacado. Em ambas as ocasiões, os bandidos disseram que as ações eram a mando de detentos que se encontravam na Nelson Hungria.

Confira também: Metrô de Belo Horizonte passará por obras com verba de R$ 1,2 bi do Governo Federal

ônibus incendiados na Grande Bh são ações arquitetadas por bandidos de dentro da penitenciária
ônibus incendiados na Grande Bh são ações arquitetadas por bandidos de dentro da penitenciária – Foto: TV Globo

Neste segundo ataque, foram oito meliantes cercando o veículo e aterrorizando os passageiros. Inclusive, o fogo ateado, acabou se espalhando, bem como as chamas alcançando na mata próxima. Já no dia 12/09, sábado, foi a vez da linha 705 ser atacada, necessitando de 4,5 mil litros d’água para combater o fogo.

Por conta desses episódios, as empresas dos ônibus acabaram suspendendo certas linhas que atendem a Estação São Gabriel. A alegação foi de que precisavam preservar a integridade física dos colaboradores, passageiros, bem como equipamentos relacionados ao transporte público. Contudo, desde ontem, as linhas estão funcionando, porém em horário reduzido.

Mesmo com os quatro ônibus queimados na Grande BH ninguém ficou ferido. Assim, a polícia segue investigando a relação entre um crime e outro e procurando pelos suspeitos.

Você também pode gostar: Prefeitura de Belo Horizonte veta atividades e esportes grupais nas academias e crossfit

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui